Brasília, Domingo, 03 de Março de 2024

Poder e Saúde

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Comissões Especialistas defendem calendário vacinal para pessoas com obesidade e campanhas informativas

Especialistas defendem calendário vacinal para pessoas com obesidade e campanhas informativas

E-mail Imprimir PDF

Especialistas defendem calendário vacinal para pessoas com obesidade e campanhas informativas

Especialistas defendem calendário vacinal para pessoas com obesidade e campanhas informativas.

Especialistas defenderam nesta terça-feira (23), em audiência pública na Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados, a criação de um calendário nacional de vacinação específico para pessoas com obesidade e o investimento em campanhas informativas sobre a vacinação de grupos de maior risco – incluindo pessoas com obesidade e/ou com diabetes.

O assunto foi debatido a pedido do deputado Dr. Zacharias Calil (União-GO). Ele defendeu a ampliação dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Cries), postos integrantes da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) que oferecem vacinas para os grupos de risco. Atualmente, existem apenas 55 dessas unidades no País, segundo o Ministério da Saúde.

“Os Cries têm que estar em várias cidades, em todos os estados, principalmente nas cidades com mais densidade populacional”, disse Calil. Atualmente, os Cries possuem um calendário vacinal para pessoas com diabetes, mas não têm uma política para obesos.

Durante o debate, o epidemiologista Ernesto Montenegro, representante do Ministério da Saúde, informou que a pasta deve atualizar este ano a portaria que, em 2004, instituiu os Cries. Entre as mudanças está a recomendação aos estados de implantação de, pelo menos, uma unidade do Crie nos municípios com mais de 300 mil habitantes – nos estados que não possuem cidades com esse tamanho, a recomendação é de uma unidade por macrorregião.

Adesão
A representante do Vozes do Advocacy em Diabetes e em Obesidade, coalizão de 24 associações de diabetes, Vanessa Pirolo, afirmou que o apoio da população à vacinação caiu nos últimos anos e cobrou do Ministério da Saúde campanhas informativas periódicas, sobretudo na internet, e a capacitação dos profissionais da rede de atenção básica.

“Nós percebemos que, ao longo dos anos, a adesão tem caído. E a gente tem que sensibilizar a população”, disse Pirolo, que foi acompanhada por outros especialistas presentes ao debate, como o presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Levimar Araújo. “O diabético, por ser imunodeprimido, tem a necessidade de ser vacinado prioritariamente. Por isso, é importante fazer a campanha”, disse.

O deputado Rafael Simões (União-MG), que é diabético, lamentou a queda da cobertura vacinal entre os pacientes da doença. “A vacinação é a grande conquista da saúde pública. Nós temos que fazer campanhas assertivas e precisamos saber como fazer isso”, afirmou.

Excesso de peso
A médica Cintia Cercato, representante da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso), afirmou que 6 em cada 10 brasileiros têm excesso de peso. Para ela, a vacinação desse grupo ajudaria a reduzir os índices de mortalidade e de hospitalização. “A baixa cobertura vacinal ameaça a saúde coletiva de pessoas que têm condições crônicas”, disse Cercato.

A necessidade de ações de prevenção a doenças crônicas foi defendida pela deputada Fernanda Pessoa (União-CE). Ela propôs a realização de campanhas dirigidas às escolas sobre boa alimentação como forma de combater a obesidade e o diabetes. “Hoje em dia, pela praticidade que os pais têm, muitos procuram alimentos industrializados, alimentando mal os seus filhos”, disse.

Fonte: Agência Câmara de Notícias